O cartão de débito ganhou força entre as modalidades de pagamento com cartões em meio à recessão.

A participação de 36,9%, em 2014, cresceu para 39%, em 2016 sobre a receita das transações. É o maior percentual desde o início da série histórica, em 2008.

No caminho oposto, os consumidores reduziram o uso do cartão de crédito nas compras parceladas.

No pagamento a partir de sete parcelas, a participação caiu de 8,3% para 7,5% sobre o valor das vendas com cartões, que totalizaram R$ 1,1 trilhão no ano passado (R$ 674 milhões na modalidade crédito e R$ 430 milhões na modalidade débito).

Os brasileiros evitaram até mesmo parcelamentos em menor prazo. As vendas em duas ou três parcelas representaram no período 13% do faturamento com o uso de cartões – a menor participação desde o início da série histórica.

A ampliação do uso do cartão de débito revela um comportamento cauteloso do consumidor em relação à possibilidade de endividamento, após a maior e mais prolongada crise da economia brasileira.

É o que afirma Vitor França, economista da Boanerges & Cia, consultoria especializada em finanças do varejo.

O maior uso do cartão de débito também mostra, de acordo com França, que os consumidores estão privilegiando a compra de bens de primeira necessidade. Do lado dos comerciantes, diz ele, revela o esforço para reforçar o caixa.

A taxa paga pelos estabelecimentos comerciais para as operadoras nas vendas com cartão de débito é inferior às realizadas com cartão de crédito.

Em 2016, a taxa média era de 1,52% para o cartão de débito e de 2,65% para o de crédito, de acordo com dados do Banco Central.

No ano passado, o gasto total dos estabelecimentos comerciais com as taxas de cartões atingiu R$ 24,4 bilhões, de acordo levantamento da Boanerges & Cia.

A disseminação do cartão de débito sinaliza ainda as incertezas em relação à manutenção do emprego.

Em junho, pesquisa realizada pela Ipsos para a Associação Comercial de São Paulo (ACSP) mostrou que 55% dos entrevistados consideravam grande a possibilidade de perder o emprego em seis meses. Em maio, esse percentual era menor, de 43%.

A taxa de desemprego no Brasil, próxima de 14%, é uma das mais elevadas da história, atingindo 14 milhões de pessoas. São números que atemorizam mesmo quem está empregado.

“Com esse cenário, o consumidor tem receio de gastar. E, se possui algum dinheiro, compra à vista”, afirma Emílio Alfieri, economista da ACSP.

“Para o lojista é bom, pois com recebe das operadoras mais rapidamente do que quando efetua a venda com cartão de crédito.”

Em volume de transações, o cartão de débito já supera o de crédito. Em 2016, os brasileiros realizaram 6,7 bilhões de compras com débito e 5,7 bilhões com crédito (crescimento de 9,7% e 6,7%, respectivamente), de acordo com a Abecs, associação que reúne as empresas de cartões de crédito.

Levantamento da Boanerges & Cia, com base em dados do BC, mostra que o tíquete médio das vendas com cartão, descontando a inflação, caiu em praticamente em todas as modalidades de pagamento em 2016.

O tíquete médio com cartão de débito foi de R$ 63, o menor valor da história, assim como o tíquete médio para pagamento em uma única parcela no cartão de crédito, de R$ 70.

Já em duas ou três parcelas, o valor médio alcançou R$ 208; em quatro ou seis parcelas, R$ 509 e, em sete ou mais parcelas, R$ 998.

Para França, a queda no tíquete médio do cartão durante a crise indica que os consumidores buscaram produtos de menor valor com perda da força do varejo de ítens mais caros, como móveis e eletrodoméstioos.

Para Alfieri, os dados revelam claramente o novo comportamento do consumidor brasileiro, que se traduz por aversão ao risco

É provável que o cartão de débito ganhe mais força com a lei que possibilita ao lojista dar desconto no pagamento à vista.

Na avaliação da Abecs, o maior uso do cartão de débito está ainda relacionado à inclusão financeira da população, principalmente em regiões interioranas, e à substituição de meios de pagamento, em compras de menor tíquete.

Ou seja: os brasileiros estão substituindo cada vez mais o pagamento em dinheiro pelo cartão.

“O avanço do débito deve continuar à medida que também aumentam a inclusão e a penetração dos meios eletrônicos de pagamento no consumo das famílias, que, no 1º trimestre deste ano, ficou em 28,2%”, de acordo com Ricardo Vieira, diretor executivo da Abecs.

Texto por: Fátima Fernandes, 27 de Julho de 2017.

Anúncios

Escrito por varejoemdia

Somos os editores do varejoemdia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s