As franquias do segmento de hotelaria e turismo são as que mais cresceram em faturamento e em número de unidades no primeiro trimestre deste ano em comparação com igual período de 2017.

O ritmo de expansão foi de 14,9% nesse período, quase três vezes maior que a média do setor, que teve crescimento de 5,1%, com faturamento de R$ 38,76 bilhões de janeiro a março.

Os dados constam da pesquisa trimestral de desempenho do setor realizada pela ABF (Associação Brasileira de Franchising).

O crescimento está diretamente relacionado ao aumento de gastos de brasileiros no exterior, a maior vinda de estrangeiros ao Brasil e aos investimentos feitos pelos empreendedores do segmento de hotelaria e turismo.

Os brasileiros gastaram US$ 4,9 bilhões de janeiro a março deste ano no exterior, alta de 10,2% sobre igual trimestre do ano passado, de acordo com dados do Banco Central.

O montante chama atenção, considerando o cenário de retração em vários segmentos da economia e de desemprego elevado.

Por outro lado, a inflação em patamar mais baixo e a melhora nos índices de confiança contribuem para o aumento de gastos.

“O aumento de receita do turismo internacional, a expansão de 4,9% em número de unidades e o desenvolvimento do e-commerce se refletem no desempenho das marcas que atuam por aqui”, diz Vanessa Bretas, gerente de inteligência de mercado da ABF.

O grupo CVC, maior operadora de viagens do país e maior rede do segmento de franquias de turismo, lucrou R$ 81,6 milhões entre janeiro e março deste ano, valor 21,8% superior ao do mesmo período de 2017.

O aumento no número de reservas confirmadas para lazer (turismo internacional e marítimo), o embarque de mais passageiros e a alta no movimento com pacotes de cruzeiro marítimo, principalmente no circuito europeu, impulsionaram os negócios do grupo.

De acordo com balanço mais recente da CVC, publicado em maio, nove lojas foram abertas no trimestre e 95 nos últimos 12 meses encerrados em março.

São três modelos de negócios (lojas de rua, hipermercado e shopping), com venda de viagens de lazer, corporativa e intercâmbio.

DESTAQUES

Outro segmento que se destacou no setor de franquias foi o de serviços e outros negócios, com 9,3% a mais faturado no primeiro trimestre sobre mesmo período de 2017.

Nesse caso, o resultado foi puxado pelas franquias ligadas à área de logística, beneficiadas principalmente pelo volume maior de cargas transportadas.

Estão nesse segmento franquias como a Gol Log, de transporte de cargas, os Correios e a Jadlog, de transporte de encomendas expressas.

Em terceiro lugar no ranking de melhor desempenho estão as franquias que atuam com entretenimento e lazer, com 7,8% de expansão na mesma comparação.

Além da abertura de novas unidades nesse ramo, a queda no endividamento das famílias permitiu gastar mais com brinquedos e games.

Estão nesse segmento a Ri Happy, maior rede varejista de brinquedos do Brasil, e a Planeta Imaginário, com unidades de espaço infantil em shopping centers.

MENOR CUSTO

Formatos mais enxutos, que permitem a redução de custos, e a busca de novos mercados e canais de venda não tradicionais ajudaram as redes a ter mais eficiência em suas operações e permitiram o crescimento de 5,1% na média, de acordo com Altino Cristofoletti Junior, presidente da ABF.

Entre os canais não tradicionais, aumentou a participação nas vendas de unidades localizadas em condomínios residenciais e comerciais, além de universidades e clubes.

A participação das lojas de rua e shoppings, porém, caiu de 66% para 63% e de 23% para 21%, respectivamente.

A busca de comodidade por serviços mais próximos de casa, do trabalho e do lazer e os problemas de mobilidade nas regiões metropolitanas explicam, em parte, essa mudança de comportamento do consumidor.

 Segmentos                                                                                    Crescimento 1º tri de                                                                                                                         2018 sobre 2017 

Alimentação                                                                                            6,6%

Casa e Construção                                                                                   2,2%

Comunicação, Informática e Eletrônicos                                           0,1%

Entretenimento e Lazer                                                                          7,8%

Hotelaria e Turismo                                                                                14,9%

Limpeza e Conservação                                                                         6,6%

Moda                                                                                                          1,8%

Saúde, Beleza e Bem Estar                                                                     1,5%

Serviços automotivos                                                                              3,8%

Serviços e outros negócios                                                                     9,3%

Serviços educacionais                                                                             0,3%

Total do setor                                                                                            5,1%

Foto: CVC / Divulgação

 

Anúncios

Escrito por Claudia Rolli

Jornalista especializada em economia, negócios e varejo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s