É fato que a revolução tecnológica favoreceu vários setores da economia que investiram pesado para melhoria de seus produtos e serviços.

O comércio é um grande exemplo disso: basta olharmos para a Amazon, segunda empresa mais valiosa do mundo, que recentemente atingiu o incrível valor de mercado de U$ 1 trilhão.

Não é por acaso que cada vez mais as marcas do varejo físico tradicional se convencem de que é preciso investir em tecnologia para proporcionar uma experiência digital para seus clientes.

De acordo com a última pesquisa anual da JDA/PwC, com mais de 350 varejistas globais, a transformação digital é prioridade nos investimentos do setor.

Em paralelo, uma nova geração de micro e pequenos empreendedores aproveita as facilidades que a tecnologia oferece para lançar o seu próprio negócio virtual ou conectar a sua loja física à internet, aproximando-se de um público que se espalha do norte ao sul do país.

Todo esse movimento de mercado se explica pelas inúmeras vantagens que a tecnologia proporciona para o comércio de bens e mercadorias.

Com a possibilidade de migrar sua loja para o ambiente digital e ainda colocar seus produtos nas vitrines dos marketplaces, o varejista ganhou novos canais de venda para atender o consumidor, entregando praticidade e preços atrativos.

Para vendedores que atuam num segmento de vendas muito específico, a inovação tecnológica fez nascer os chamados marketplaces de nicho, shoppings virtuais que atraem uma audiência qualificada e engajada na compra de produtos de uma mesma categoria.

A tecnologia no e-commerce ainda permitiu que a própria indústria se aproximasse do cliente final sem intermediários, ao possibilitar a venda direta para o consumidor.

Dessa forma, as marcas se aproximam das pessoas e entendem quais são suas preferências e hábitos de consumo, o que impacta diretamente na confecção de novos produtos que circulam no mercado.

Mas talvez o maior impacto da transformação digital no setor se traduza na integração entre o mundo digital e o mundo físico, expressa no conceito de venda “omnichannel”.

Por ele, o cliente compra pela internet e retira seu pedido numa loja física, que funciona como um centro de coleta e distribuição, com benefícios de frete grátis e menores prazos para recebimento do produto, por exemplo.

O omnichannel também permite que o cliente experimente o produto dentro da loja física e efetue a compra à distância para recebê-lo na sua própria casa.

Nessa situação, a loja física funciona como um centro de experiências e demonstração de produtos, dispensando custos com estocagem na loja.

E não para por aí: a tecnologia segue impulsionando novas formas de interação entre marcas, varejistas e consumidores, que passam pela evolução de processos de distribuição e logística (com operações de cross-docking e drop shipping, por exemplo), lojas disponíveis dentro das redes sociais, chatbots que permitem que clientes interajam com atendentes virtuais inteligentes e ferramentas de recomendações automáticas de produtos, a partir da análise de perfil de compra e navegação nas lojas virtuais e nas mídias sociais.

Como se observa, as relações de comércio nunca mais serão como antes.

Nesse contexto, vale a pena o varejista investir parte do seu orçamento em diferentes soluções e ficar de olho nas novidades que o mundo da tecnologia tem para oferecer.

Quem permanecer apenas na loja física estará perdendo grandes oportunidades.

Diogo Lupinari, CEO e cofundador da Wevo, especial para o varejoemdia

Anúncios

Escrito por varejoemdia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s