Quem costuma frequentar a Nova Charmosa, padaria localizada bem no coração de Perdizes, sabe que é difícil ver o estabelecimento vazio.

O movimento cai cerca de 30% a 35% nas férias escolares, o que é considerado normal pelos administradores.

A Nova Charmosa fica bem próxima de um colégio, o Batista, e de uma universidade, a PUC.

Pela primeira vez na história da padaria, desde sábado (14/03) o movimento caiu 30% em pleno período letivo.

Os administradores da Nova Charmosa estudam medidas para enfrentar o sumiço de parte dos clientes em tempo de coronavírus.

Um dos restaurantes mais conhecidos de São Paulo, o Rascal, já anunciou mudanças na forma de atender os clientes.

A sua bancada tradicional de saladas no modelo de buffet vai funcionar agora no mesmo sistema da ilha de massas, com a montagem dos pratos feita pelos funcionários.

O restaurante anunciou ainda que “haverá reforço nos programas de treinamentos de equipes em relação aos procedimentos já existentes de segurança dos alimentos.”

Haverá também, de acordo com o Rascal, avaliação diária da saúde de cada colaborador e intensificação na frequência de lavagem de mãos e uso de álcool em gel.

A mudança repentina na rotina de padarias e restaurantes e bares tem dado dor-de-cabeça nos donos dos estabelecimentos.

A grande preocupação dos empresários é que a ausência de clientes perdure por muito tempo. Com menos receita começa a se pensar em redução de pessoal.

CONTRAPONTO

Mas não são todos os estabelecimentos que estão sofrendo com a chegada do coronavírus ao Brasil.

Ainda no bairro de Perdizes, o Sacolão Perdizes registra aumento de 30% no faturamento desde a última quinta-feira.

Jorge Moreira, gerente da loja, sente que os clientes estão comprando mais, mas não dá para saber ainda se é para estocar ou por opção de comer mais em casa.

Num primeiro momento, diz ele, é bom para a loja o aumento de vendas, mas este é “um movimento que acaba desequilibrando o orçamento, pois é atípico.”

A Abras, associação que reúne os supermercados, identifcou maior número de clientes em algumas lojas no final de semana.

Essa situação, de acordo com a entidade, se concentrou em supermercados da capital paulista e em bairros das classes A e B.

Entre os produtos mais adquiridos nessas lojas nos últimos dias, de acordo com a Abras, estão macarrão, molho de tomate, azeite, sal, bolacha, torrada, creme de leite, leite condensado, açúcar, achocolatado em pó, café, leite, água, suco, produtos de limpeza e higiene, com destaque para o papel higiênico, e álcool gel.

A associação informa ainda que não foi identificado desabastecimento de produtos no final de semana.

Ainda no bairro de Perdizes, há clientes que definitivamente decidiram seguir as recomendações de governos e médicas e permanecer em casa.

Ainda hoje pela manhã (16/03) uma cliente do armarinho Eleninha, com mais de 60 anos, adquiriu 50 novelos de lã.

Com o coronavírus por perto, disse a cliente para a proprietária da loja, o jeito é ficar em casa fazendo crochê.

Leia mais: Coronavírus deixa restaurantes de shoppings vazios

Escrito por Fátima Fernandes

Jornalista especializada em economia, negócios e varejo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s