A economia brasileira começou 2018 em recuperação, mas sofreu uma derrapada a partir do segundo trimestre.

As incertezas em relação ao futuro do país pioraram quando o Banco Central (BC) sinalizou que os juros iriam cair e, dias depois, decidiu manter a Selic em 6,5% ao ano.

A decisão da máxima autoridade monetária do país assustou os empresários, especialmente os mais graúdos, gerando um desconforto maior no mercado.

E aí veio a greve dos caminhoneiros, que parou o país, e uma desvalorização mais acentuada do real em relação ao dólar.

Mais: este é um ano de eleições para presidente da República, e há uma grande incerteza em relação à capacidade dos candidatos de colocar o país nos trilhos.

Para Fabio Silveira, sócio-diretor da MacroSector Consultores, os fatos citados acima somados a uma taxa de câmbio nos patamares atuais, de R$ 3,70 a R$ 3,80 para cada dólar, frearam a economia.

Esse cenário conturbado, diz ele, deve perdurar no segundo semestre deste ano e em 2019. O varejo deve fechar 2018 com crescimento de 2,3% a 2,7%, no máximo.

“A curva é de recuperação, mas moderada. O crédito tem crescido, assim como o rendimento real do trabalhador, mas nada para deixar todo mundo eufórico.”

Entre mortes e feridos, diz ele, os feridos estão vivos, o que não deixa de ser um ponto positivo para o país.

Veja abaixo a reflexão do economista Fábio Silveira sobre o momento atual.

Não existe uma convergência grande em relação aos candidatos à presidência da República.

Há uma desconfiança política acentuada quanto à capacidade dos atuais candidatos de levar a bom termo a superação da crise política pela qual passa o país.

Isso criou um ambiente adverso do ponto de vista econômico e político.

O eleitorado não se sente representado pelos candidatos que estão postos à mesa.

Mas o Brasil é isso, e sempre foi uma economia muito influenciada por eventos de curto prazo, muito voláteis em certos aspectos. Esta aí a taxa de câmbio para não me deixar mentir.

Acho que, como no passado, nós vamos superar esse horizonte desfavorável, mesmo que ainda permaneçam várias contradições e indefinições.

Quantos aos preços dos combustíveis, fretes, transportes de carga, é logico que isso terá um custo.

E o custo dessa nova lambança brasileira será um crescimento econômico menor do que o previsto há dois meses.

Na avaliação de nossa equipe, o PIB deve crescer este ano 1,8%, e não mais 2,8% como o estimado no início do ano.

Mas a taxa de crescimento do PIB já vinha perdendo um pouco de fôlego com o passar dos meses.

Mas aí ocorrerem esses eventos, a fala complicada da direção do BC e a greve dos caminhoneiros.

Havia também dúvida se os Estados Unidos iriam ganhar fôlego. E estão ganhando.

Os juros tendem a subir nos EUA, pressionando a taxa de câmbio aqui no Brasil para patamares próximos de R$ 3,8, R$ 3,9 e R$ 4.

A expectativa para o comércio é menos positiva do que a feita em janeiro. Deve crescer entre 2,3% e 2,7%. No começo do ano, a previsão era de alta próxima de 3%.

É um crescimento fraco, modesto. 2019 pode ser um ano um pouco melhor, com o comércio crescendo 2,5%.

Não é uma melhora substancial, mas é um horizonte de algum avanço, com evolução um pouco lenta do crédito.

É o que é possível esperar neste momento para a economia com tantos obstáculos a serem superados, como a redução do desequilíbrio fiscal, o déficit primário elevado.

Teremos uma modesta elevação dos juros, que deve chegar a 8% nos próximos meses.

A taxa de juro básica vai subir e também as taxas para os consumidores.

Não vai chegar a patamares de 2017, de 13% a 14% ao ano, mas aquele horizonte de terminar 2018 com taxa de juros de 6%, 6,25% e 6,5% ficou para trás.

Vamos operar em dois anos com juros de 8% a 8,5% ao ano.

Ainda é um patamar baixo para o padrão brasileiro, mas é uma taxa ainda cara, pesada, quando se compara com a de outros mercados internacionais de crédito.

Nos Estados Unidos, a taxa está próxima de 1% ao ano. Na Europa, de 2%. Na Rússia, de 5%, como base de comparação.

Foto: Fotos Públicas

Anúncios

Escrito por Fátima Fernandes

Jornalista especializada em economia, negócios e varejo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s