A história do varejo brasileiro pode ser dividida em antes e depois de Raul Borges e Fernando Pacheco de Castro.

Foram eles os responsáveis, na primeira metade da década de 1950, pela difusão do conceito de autosserviço e a estruturação dos primeiros supermercados bem-sucedidos do país, os embriões de um setor que faturou R$ 353,2 bilhões em 2017 e responde hoje por uma fatia de 5,4% do produto interno bruto (PIB).

As primeiras contribuições da dupla para a modernização do então arcaico comércio nativo datam de 1953.

No primeiro semestre daquele ano, a Loja Araújo, pilotada por Borges, apresentava ao público paulistano o balcão frigorífico “Sirva-se Só”, que permitia a livre escolha de cortes de carnes embaladas, sem contrapesos e com os preços estampados nos rótulos.

O nome do inédito equipamento era, na verdade, um chamariz para um empreendimento de maior porte que surgiria em agosto daquele ano, o Supermercado Sirva-se.

Localizado na rua da Consolação, entre a avenida Paulista e a alameda Santos, o negócio, com 800 metros quadrados de área de vendas, tinha como principal acionista o empresário Mário Wallace Simonsen, controlador do Banco Noroeste.

Foto 1

Cada um por si: a Loja Araújo apostava no autosserviço

Tudo indica, contudo, que a química da relação de Borges e Castro com Simonsen não era lá essas coisas.

Tanto é que os dois amigos resolveram deixar a sociedade e se lançar, em parceria com os franceses Phillippe Joseph Etienne Bèraut e Phillippe Alain, a um projeto que faria escola e história no setor.

Em 23 de dezembro de 1954, surgia a primeira unidade dos Supermercados Peg-Pag, na rua Rego Freitas, 172, na região central da Pauliceia.

“V. leva sempre o melhor comprando nos Supermercados Peg-Pag… onde tudo foi feito para lhe proporcionar: Garantia de Qualidade!, Rapidez! Conforto! Economia!”, dizia um anúncio publicado em 18 de dezembro daquele ano, que também destacava o Balcão Frigorífico Peg-Pag, nos mesmíssimos moldes do “Sirva-se Só”.

O solitário ponto de venda não tardou a ganhar companhia. Quatro anos depois, o Peg-Pag somava oito lojas na capital paulista.

Duas delas, inauguradas em outubro de 1958, causaram frisson do mercado local, pois foram instaladas em endereços já ocupados pela Sears Roebuck.

A ousada parceria da empresa paulista com o gigante do varejo local e global colocava à disposição dos consumidores paulistanos “28.000 artigos de qualidade no maior centro de compras da América Latina”, segundo anúncio publicado em 1º de outubro.

De quebra, a peça publicitária acenava com estacionamento gratuito, sistema de ar-condicionado, uma raridade à época, e farta distribuição de hot dogs até o dia 3.

Longe de ser fruto do acaso ou de oportunidades surgidas no meio do caminho, a criação da primeira rede brasileira de supermercados havia sido milimetricamente traçado por Raul Borges, o seu principal mentor.

Em entrevista à Folha da Manhã, em agosto de 1955, o empresário, que havia se entusiasmado com os supermercados durante uma temporada de estudos nos Estados Unidos, anunciara o plano de inaugurar uma loja do Peg-Pag a cada seis meses – meta cumprida à risca até o segundo semestre de 1958.

Foto 3 (1)

Parceira de peso: Peg-Pag vira “hóspede” da Sears

“Os supermercados devem funcionar em cadeia, porque é assim que o sistema permite lucros razoáveis aos empreendedores”, argumentou ele ao jornal paulistano.

“Pois, com uma cadeia de estabelecimentos, o volume de vendas aumenta, com um acréscimo realmente insignificante de despesas com pessoal, já que na parte administrativa o aumento poderá ser até nulo e na parte de atendimento do público o número de empregados que requer cada loja é muito reduzido, pois o verdadeiro vendedor é o… carrinho de mão de que a freguesa se serve para transportar suas compras.”

Com práticas e ideias avançadas para os anos 1950, como prova a confissão de fé de Borges na economia de escala, o Peg-Pag inovou, entre outras áreas, no mix de produtos, oferecendo revistas e jornais, em promoções, com o hoje usual “Pegue 2 – Pague 1”, e até mesmo no abastecimento.

Investiu, por exemplo, em uma lavoura própria em Mogi das Cruzes (SP), que lhe garantiu hortifrutigranjeiros a custos muito menores.

Tal modelo, reforçado pela escolha acertada da localização das lojas, aí inclusa a “hospedagem” oferecida pela Sears em seus concorridos pontos nos bairros do Paraíso e da Água Branca, havia garantido o rápido crescimento do negócio em suas primeiras temporadas de atividade.

Àquela altura, no entanto, São Paulo já começava a ficar acanhada para a rede. O próximo passo de Borges e seus sócios seria expandir a operação para outra grande cidade, como veremos no próximo capítulo de Memória Viva.

Dario Palhares, jornalista e escritor, especial para o varejoemdia

Escrito por varejoemdia

Somos os editores do varejoemdia

6 comentários

  1. Rodinei Campos da Silveira 16 de dezembro de 2019 às 15:34

    Tanto o Peg-Pag como o Sirva-Se foram comprados pelo Grupo Pão de Açúcar.

    Curtir

    Responder

  2. Oswaldo Feliciano Mota 21 de janeiro de 2020 às 16:49

    Trabalhei no Peg Pag de 1961 a 1979, 6 anos em SP e 12 no Rio, Em 1961, fui o segundo encarreagdo do setor chamado na epoca de seção de verduras, apos ter trabalhado 2 meses na Agua Branca. Sempre no setor de verduras, fui gerente da central de distribuição, no deposito da av,. Francisco Matarazo e posteriormente fui para o RIO onde sempre fui supervisor, tambem inaugurando uma central de distribuição no CEASA RJ.

    Curtir

    Responder

    1. O senhor sabe informar onde os ex empregados conseguem contato com a empresa ou massa falida?

      Curtir

      Responder

  3. trabalhei no peg pag da rua rego freitas em 1982 em sp uma epoca muito boa, eu lembro que tinha uma banca de jornal dentro do mercado a banca do Sr. Ventura , o pacoteiro barbozinha e o renato , a caixa Nadia ,saudades .

    Curtir

    Responder

  4. Bons tempos …… vem a recordação da infância , tenho 66 anos.

    Curtir

    Responder

  5. trabalhei de 1967 a 1970 nos escritorios central dos supermercados peg-pag na avenida paulista e depois transferidos para a marginal pinheiros,muito lindo esta epoca,lindas recordaçoes.

    Curtir

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s