Inflação anual ao redor de 4,5, Selic, de 7%, taxa de câmbio, de R$ 3,90, e PIB (Produto Interno Bruto) crescendo 2,5%.

Esses são números previstos para 2019 com Geraldo Alckmin no comando do país, de acordo com análise de Fabio Silveira, sócio-diretor da MacroSector Consultores.

Alckmin, candidato à presidência do Brasil pelo PSDB, é considerado um “homem do establishment, e, portanto, capaz de trazer calma para os mercados de câmbio e de juros”, diz.

Com Jair Bolsonaro (PSL) na presidência do país, as projeções de Silveira são outras.

A inflação fica maior, próxima de 6%, a taxa de câmbio passa de R$ 4, permanecendo ao redor de R$ 4,50, e Selic, de 9%. Clique aqui para ver matéria completa.

Os indicadores da economia brasileira são melhores com Alckmin do que com Bolsonaro, diz Silveira, considerando as propostas já anunciadas e as falas de cada um deles.

“O Alckmin não é um outsider, um aventureiro, conhece as articulações da política brasileira. Possui um entendimento mais racional, e menos emocional, da necessidade de o país buscar o equilíbrio fiscal”, diz Silveira.

Somente esse entendimento, na avaliação do economista, é suficiente para acalmar os mercados de câmbio e juros.

“O ex-governador de São Paulo passa sempre a mensagem de que vai perseguir as reformas. Isso pacifica o Congresso para discutir de maneira madura as ações para tirar o país da crise.”

É lógico, diz Silveira, que o jogo ainda não está dado, “as peças ainda serão colocadas, pode-se discutir arranjos, mas os movimentos são mais previsíveis com Alckmin.”

O tucano também está comprometido, na avaliação de Silveira, com ações para que o país volte a ter superávit primário mais próximo de zero, e até positivo.

O déficit fiscal brasileiro que, em 12 meses, chegou a R$ 160 bilhões está caindo, mas ainda é elevado, próximo de R$ 100 bilhões.

Daqui para a frente, as perspectivas são de elevação do déficit, com o aumento de gastos públicos. “Ações efetivas serão mais do que necessárias para o equilíbrio fiscal do país.”

Para que Alckmin tenha sucesso em seu governo, diz Silveira, terá de mostrar a que veio já no primeiro ano de governo.

Zerar o déficit público brasileiro em dois anos é difícil, mas se o tucano conseguir reduzi-lo, diz Silveira, ele ganha confiança do mercado.

Para Silveira, para ter algum sucesso em seu mandato, o novo presidente precisa mostrar que o país tem solidez do ponto de vista financeiro.

Perante os atores internacionais, Alckmin já possui maior credibilidade, diz o economista, pois defende as reformas, a estabilidade da moeda e o equilíbrio das contas públicas.

“Agora, se não mostrar controle dos gastos públicos, 2019 será outro ano ruim para o Brasil, especialmente se as agências de rating piorarem a nota do país.”

Quem decide boa parte do jogo dos negócios no país, diz Silveira, são os investidores. Se eles se assustam, fica mais difícil colocar o país nos trilhos.

“O custo da crise econômica foi alto. Mas existe uma percepção de que o país não está tão exposto a riscos como no passado. Apesar da crise na Turquia, o Brasil não fez tão feio.”

Anúncios

Escrito por Fátima Fernandes

Jornalista especializada em economia, negócios e varejo

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s